Axónios Gastos - fibras condutoras ou prolongamentos de neurónios que se encontram já consumidos.

segunda-feira, dezembro 20, 2004

RIP - Requiescat in pace!


Realmente se pensarmos um pouco, RIP, poderá significar Requiescat in pace, Resíduos Industriais Perigosos, Real Intransigência Partidária, mas também poderá corresponder a uma mistura das três e ter um desfecho nada feliz para quem ainda agora tenta germinar...
Ora se, "Aquando da realização, em 2001, dos mini-testes da co-incineração (nas fábricas de Souselas e do Outão) houve aumento de poluentes para o exterior, o que demonstra a perigosidade do processo" e se a alternativa da
"criação de centros integrados de recuperação, valorização e eliminação de resíduos (CIRVER), que teve como suporte o estudo realizado por cinco universidades portuguesas e é reconhecida pelas organizações ambientalistas como a melhor solução". existe, é de origem portuguesa, fruto da investigação que deve ser impulsionada ao máximo e consegue algum consenso, porque não deverá ser a via utilizada? Porque quererá Sócrates manter um erro anterior caso venha a ser eleito?
Só porque esta inovação veio deste Governo e de um Ministro do CDS/PP, Luís Nobre Guedes?
Se queremos que o país evolua de forma sustentável e não prejudique as gerações vindouras, todas as ideias boas deverão ser equacionadas e postas em prática...Caso contrário RIP, 3 em 1!

|| JMC - João Maria Condeixa, 18:41

11Comentários:

Desculpa lá!
Por mero acaso leste o relatório da CCI?
Só leste as noticias do Público? O que vem no jornal baseia-se num documento produzido pela vereação da CM Coimbra (sem base científica).
O relatório não diz nada disso. Entre a vereação e os cientistas... escolho quem realmente percebe do assunto!
A questão não é política! É científica!!!
Anonymous Anónimo, at 10:14 da manhã  
O programa que está em "estudo" é da implementação política do Sr. que tinha o sobrinho como taxista na Suiça.
Não do Nobre Guedes. Mas esta questão parece-me semelhante à do déficit: todos têm um número que lhes convém, ou um estudo ou uma solução. Habituado à matemática sei que não existe uma só solução para um problema. Será que não tenho razão? Terei todo o gosto em enumerar noutro momento (até porque gosto de ser exacto) os estudos que dizem que o processo de co-incineração é melhor para o ambiente.
Bom esforço. Parece-me um blogue de alguém honesto, doutrinado mas honesto.Parabéns.
Anonymous Anónimo, at 10:19 da manhã  
Embora não goste de responder a comentários anónimos com receio de que tal se torne um hábito, devido à honestidade política que me foi elogiada e à que senti nos comentários colocados, faço aqui o espaço do contraditório.
Em primeiro lugar a questão foi científica, agora que existem pareceres negativos, tornou-se política.
Em segundo lugar e apesar de não ser de ciências exactas, sou de engenharia, onde se aprende a superar ideias e nunca parar de investigar a melhor solução. Assim sendo deixo parte do comentário final do relatório da CCI como prova:
"2. A Comissão recomenda o processo de co-incineração em fornos de
unidades cimenteiras por não implicar um acréscimo previsível de
emissões nocivas para a saúde QUANDO COMPARADO com a utilização
de combustíveis tradicionais, por ter menores impactos ambientais QUE
as incineradoras dedicadas"
Houve de facto um relatório mas este compara dois sistemas ou métodos, não refere que a co-incineração seja isenta de problemas. Para além disso, embora não seja um especialista para averiguar a veracidade, existiu toda uma polémica em 2001 devido à existencia de erros neste mesmo relatório.
Como tal seja bem vinda a nova proposta CIRVER, que apoiada em base científica, reune consenso.
Blogger JMC - João Maria Condeixa, at 2:09 da tarde  
Cadeixa, andas a habituar anónimos a responder aos seus comentários. Olha, na minha modesta opinião julgo que a co-incineração é menos poluente que o Isaltino Morais. Pelo menos é o que acho.
Anonymous Anónimo, at 3:46 da tarde  
Um estudo recente da UE revela que os portugueses são dos mais fracos em matemática. Neste contexto, duvido que este matemático saiba apresentar várias soluções para um problema, e acho que terá sérios problemas para apresentar, pelo menos, uma solução!
Não estou muito familiarizado com esta área, mas sei que existem problemas possíveis, possíveis indeterminados e IMPOSSIVEIS, portanto, nem todos os problemas têm uma ou mais soluções.
Com matemáticos destes…
Anonymous Anónimo, at 3:19 da manhã  
Esperando contribuir para a discussão, cumpre dizer-se que o abandono da Co-Inceneração não é de Isaltino Morais, nem de Nobre Guedes, mas responsabilidade do Secretário de Estado José Eduardo Martins.
É uma pessoa que tem trabalho feito na área e provas dadas. Lembro-me que se reuniu com todos os movimentos contra a co-inceneração em Setúbal, Leiria e Coimbra. Tem uma Associação de defesa do ambiente desde 1998 e mesmo nessa altura foi ministro sombra de Durão Barroso para as áreas do Ambiente.
Estando a queima dos óleos hoje proibida por lei, a co-inceneração perdeu a sua principal razão de ser e até o interesse das cimenteiras de Souselas, Maceira e de Outão.
A política que se estava a seguir não era de abandono do problema, como demagógicamente afirma José Sócrates, mas de implementação de unidades de tratamento de resíduos tóxicos.

Luis Tirapicos Nunes
Blogger Geraldo sem Pavor, at 11:42 da manhã  
e a não co-incineração é do interesse de quem? e a bandalheira dos resíduos sem tratamento, interessa a quem?
Anonymous Anónimo, at 1:11 da tarde  
Parece-me que que este contexto nada tem que ver com a matemática e muito menos com filosofia dos problemas insolvíveis. Trata-se de uma questão real e o que me parece bem real é que fala-se agora no problema (aliás nas soluções) porque a memória se reavivou com o Diário de Notícias do canino Delgado e com uma notícia desmentida. Concordo com a opinião de descrédito votada aos Partidos no poder até porque já ninguém acredita em qualquer coisa que estes governantes digam (excepção de Portas, e do Ministro da Economia, já que nem o Bagão se afasta das polémicas e das incoerências). Por isso e até que se prove o contrário (coisa difícil nos dias que correm) considero que as contas públicas sãp um problema bem mais grave que o da co-inceneração. Por isso uma sugestão ao autor deste belo blogue: um post em relação à "consolidação" das contas públicas e à política financeira deste Governo. E referi propositadamente a consolidação. há menos de um mês disse este Primeiro Ministro que a retoma estava aí e que a crise tinha terminado. Não é problema suficiente para se discutir?
Anonymous Anónimo, at 3:15 da tarde  
Meu amigo Careca!! Concordo absolutamente contigo. No entanto, quem é que ainda tem dúvidas das similitudes, mais que ideológicas, práticas do PS e do PSD?
Cada vez mais estes, numa lógica de convergência ao centro, estão a perder os seus princípios diferenciadores!!
De qualquer forma não podemos esquecer que ambos são socialistas!! Uns, é verdade social democratas, outros socialistas na acepção pura e dura da palavra!! O que muda são as formas, pois os fins, em ambos são idênticos!! Quem já esqueceu que, em inícios de 1980, antes do assassinato de Sá Carneiro em Dezembro, este político tinha solicitado a adesão do seu PPP-PSD à Internacional Socialista! Esta é que o recusou!! Já agora, basta notar que praticamente não existe Social Democracia nas grandes nações da Europa. O grande adversário político e ideológico do Socialismo é a Democracia Cristã!! Até aqui patenteamos atraso em relação aos nossos parceiros europeus!!
Blogger Unknown, at 4:02 da tarde  
Diz o DN:

Defensora da solução que Nobre Guedes ia ontem propor, a Quercus diz não haver razões que justifiquem a opção por uma incineradora - um método «mais caro e mais poluente». E lembra que «há ligações», na defesa desta solução, com o PSD.

Esta tem sido a solução pretendida pela generalidade dos municípios da região (do PSD) e pela ERSUC (Resíduos Sólidos do Centro), que tem como principal accionista a EGF (Empresa Geral de Fomento) - ambas presididas por Miguel Almeida, ex-chefe de gabinete de Santana em Lisboa e na Figueira .

Interessante não é?

*Com Paulo Baldaia
Anonymous Anónimo, at 12:21 da tarde  
Como se pode ver pelo Post, pelo comentário anterior e noticia do DN, o Ministro Nobre Guedes é defensor de dois sistemas, quer para os RSU (tratamento mecanico biologico) quer para os RIP(CIRVER), que minoram as consequências para o ambiente e que de alguma forma reunem consenso com os grupos ambientalistas. O que vai sendo raro...
Blogger JMC - João Maria Condeixa, at 3:13 da tarde  

Add a comment

Site Meter BlogRating