Axónios Gastos - fibras condutoras ou prolongamentos de neurónios que se encontram já consumidos.

quinta-feira, julho 31, 2008

Obviamente, admito...

...que errei na previsão. Foi talvez uma tirada à Marcelo, bem sei, mas estava à espera que Cavaco, muito embora falasse sobre dois ou três temas banais, trouxesse uma reflexão sobre os problemas que preocupam os portugueses.

Sem menosprezar a relevância do estatuto dos Açores, a verdade é que nenhum português foi para a cama mais descansado depois de ter ouvido o nosso PR. Nem mais descansado, nem mais preocupado. Enfim, o Português não ligou Cavaco!

Mais, Cavaco nem sequer se fez entender: a grande maioria dos que vivem no continente não se lembram que os Açores vão a votos, não sabem sequer que o estatuto foi aprovado pela AR, quanto mais rejeitado pelo TC, e muito menos entendeu aquilo que o PR acha grave. Se entendeu, percebeu que não era motivo para interromper as férias.

A não ser, como diz o Adolfo, que Cavaco já não pudesse mesmo ouvir a mulher e os filhos!

PS - ao que sei, Cavaco aproveitou para ir jantar ao Hi5 dos adultos, o Star Tracker. Estava mesmo desejoso de sair de casa!

|| JMC - João Maria Condeixa, 22:47 || link || (2) Comentários |

Circum e-navegação

Magalhães deu a volta ao mundo e pouca publicidade retirou daí, fora um estreito com o seu nome. Sócrates vai dar a volta às escolas e tentará com propaganda ficar eternamente conhecido como alguém que resolveu a crise do país com a verdadeira aposta na educação.
Estou certo que mais do que um estreito, terá a rua da sua terra com o seu nome!
|| JMC - João Maria Condeixa, 13:46 || link || (0) Comentários |

Dão-se Alvíssaras

a quem adivinhar o conteúdo da comunicação do nosso PR. A mim parece-me que vem aí uma mensagem de boas férias com uma análise, à mistura, sobre insegurança, derrapagem financeira (real) e consequente "aperto do cinto" (expressão que figura num quadro por cima da cama de Cavaco Silva, certamente) e perspectivas de futuro com base na descida do petróleo.
Nada que seja novo e que não sirva apenas e sobretudo para Cavaco lembrar os portugueses que existe, que está atento, que os chumbos tentam também revelar isso, e que se confiarem nele e na sua arbitrariedade face às boas e más moedas, ultrapassaremos juntos a crise!

A interrupção de férias é um mero pormenor que tem como objectivo engrandecer o acto heróico de quem não dorme pelo país!
|| JMC - João Maria Condeixa, 11:20 || link || (0) Comentários |

quarta-feira, julho 23, 2008

Velhos hábitos que se alastram

As dificuldades para as Universidades começaram a surgir quando a restrição orçamental se iniciou. Até aí, imperava o gasto, como em muitas outras instituições públicas, desmesurado, inconsequente e despreocupado. Entretanto, apertaram-se as regras e diminuíram-se os montantes, e as Universidades saíram disparadas em busca das galinhas de ovos de ouro, que rapidamente mataram, ao mesmo tempo que aproveitaram para justificar aumentos nas propinas (os tais que dispararam à velocidade da luz).

Nesta corrida, nunca foi pensada a eficiência, nem o planeamento como prioridade. Foram, sim, respondendo sempre à fome de um monstro que tinham criado.

Até hoje, raras foram aquelas que optaram por desenvolver novas estratégias. A maioria manteve-se lá à frente à espera da bola ( na gíria futebolística existe outro nome) sem pensar na estratégia da equipa, nem nos seus próprios propósitos ou objectivos.

Ora, na semana em que sabemos que algumas delas não cumpriram as regras, nem para esse lado estiveram viradas (é o TC que aponta falhas na gestão de quatro universidades, onde se inclui gastos não autorizados) assistimos à condecoração, sob a forma de reforço de verbas, dessas mesmas academias.

Se com professores catedráticos e instituições que formam as gerações futuras, nos habituamos a premiar quem não apresenta soluções e, sem querer generalizar, gasta dinheiro indevidamente, ainda nos espantamos que exista quem compre playstations, dvds, plasmas, etc. quando vive num "T2 ou T3 a quatro ou cinco euros mensais" provenientes de bizarras benesses do Estado-providência?
|| JMC - João Maria Condeixa, 18:04 || link || (0) Comentários |

terça-feira, julho 22, 2008

Na porta da Galp

Pedimos desculpa, mas encerrámos para Férias. Actualizamos os preços assim que voltarmos!

|| JMC - João Maria Condeixa, 23:16 || link || (0) Comentários |

"Limpeza étnica" por Mário Crespo

Entraram-me em casa, espatifaram tudo. Levaram o plasma, o DVD a aparelhagem..." Esta foi uma das esclarecedoras declarações dos autodesalojados da Quinta da Fonte.

Neste país, tão cheio de dificuldades para quem tem rendimentos declarados, dinheiro público não pode continuar a ser desviado para sustentar predadores profissionais dos fundos constituídos em boa fé para atender a situações excepcionais de carência. A culpa não é só de quem usufrui desses dinheiros. A principal responsabilidade destes desvios cai sobre os oportunismos políticos que à custa destas bizarras benesses, compraram votos de Norte a Sul. É inexplicável num país de economias domésticas esfrangalhadas por uma Euribor com freio nos dentes que há famílias que pagam "quatro ou cinco Euros de renda" à câmara de Loures e no fim do mês recebem o rendimento social de inserção que, se habilmente requerido por um grupo familiar de cinco ou seis pessoas, atinge quantias muito acima do ordenado mínimo. É inaceitável que estes beneficiários de tudo e mais alguma coisa ainda querem que os seus T2 e T3 a "quatro ou cinco euros mensais" lhes sejam dados em zonas "onde não haja pretos".

|| JMC - João Maria Condeixa, 23:15 || link || (1) Comentários |

Belicismos-Chave


Segundo fontes do complexo industrial militar russo, os dois países poderiam assinar durante a estadia de Chávez vários contratos de armamento pesado, avaliados em US$ 1 bilhão, informou a agência russa "Interfax".

A exportadora estatal russa de armamento Rosoboronexport afirmou que durante a visita de Chávez pode ser assinado um acordo para a provisão de material bélico.

"Este acordo permitirá garantir as provisões de armamento para as necessidades de defesa da Venezuela de maneira operacional, e conforme as obrigações internacionais e legislações de ambos os países", declarou o porta-voz da Rosoboronexport, Viacheslav Davidenko

Tal como uma central no Irão, esta é daquelas notícias que me deixa preocupado. No entanto, tenho consciência que controlar ou limitar o poderio militar de cada Estado não é dos assuntos mais fáceis de resolver. Não sei mesmo se se deve resolver consoante aquelas que são as ameaças pontuais que o ocidente (palavra lata que engloba a América do Norte, países não comunistas, G8, etc.) tende a sentir consoante quem o dirige.

Sendo aqui o mais naif possível e alheando-me de direitas e esquerdas, a simples tirania da pessoa, neste caso Chávez, induz precauções redobradas. É este critério natural de desconfiança, um critério legítimo?

E quando o convite vem do próprio Medvedev que poderemos nós esperar?

|| JMC - João Maria Condeixa, 23:12 || link || (0) Comentários |

quarta-feira, julho 09, 2008

Saudáveis ditaduras

Ao pagar um ananás, estou a pagar para satisfazer o meu apetite, para suprimir as minhas necessidades de fruta, para manter a linha, pago um sem número de motivos que possam existir e que dependem de uma necessidade minha a que procuro responder.

Ao comer um ananás que me foi oferecido pela UE, estou a pagar por um apetite que não é o meu, estou a suprimir as minhas necessidades de fruta, mas que não partiu de uma escolha minha, estou a manter a linha porque alguém definiu que tenho de estar dentro de um intervalo de peso considerado satisfatório e outras razões várias que não resultaram de uma busca minha, nem de uma necessidade minha.

Não é por vir da UE que discordo, mas por estar a pagar algo que não pedi:

- Aqui tem o seu café....são 0,60 €.

- Mas eu não pedi nada!

- Mas faz-lhe bem, vai mantê-lo acordado e tem sorte de não lhe estar a pedir mais por este excelente conselho!

Esta é a postura que a larga escala foi adoptada pela UE, e não só, com esta desenfreada busca da sanidade por imposição.

Faltará pouco para serem distribuídos alimentos na devida proporção das DDR (doses diárias recomendadas) e ainda sermos obrigados a consumi-los!

Promover bons hábitos alimentares não passará por uma imposição - é quase imposição, uma vez que, socialmente, deixar estragar alimentos não é solução a equacionar - e muito menos deveria passar por gastar 96 milhões de euros. Quanto à obesidade infantil, no limite, esse deverá ser um combate que recai sobre a responsabilidade da família, que poderá ser auxiliada, mas não como querem fazer!

|| JMC - João Maria Condeixa, 22:37 || link || (1) Comentários |

terça-feira, julho 08, 2008

Bem sei que não és o único Marxista


O João Gomes cai num vício bastante comum à esquerda, principalmente à mais radical: sob uma cegueira ideológica, teimam em não admitir que a abertura do mundo ao capitalismo, baseado no mercado e por via da globalização, não só concluíu com bacocos imperialismos, como - e independentemente de fortes assimetrias que possam existir - melhorou significativamente o estado do mundo.

Ao velho estilo de uma esquerda que felizmente vai rareando, o João Gomes parece daqueles que pintam o mundo de males e de uma crescente pobreza, inclusive quase a propagam, para poderem continuar como eternos defensores de um proletariado faminto. Tudo para manterem erguida a bandeira de um Socialismo detentor da verdade, dos justos e dos iguais. Um Socialismo utópico que muitos já trabalharam para um conceito mais moderno e maquilhado e que permite admitir e adoptar algumas regras de mercado, pelo que não vejo a necessidade de cerrar ainda tanto o punho!

Longe de ideologias, que por acaso são de esquerda, mas que o resultado advém sobretudo de serem pensadas por trastes ditatoriais, está o povo que vive em África.

É um inteiro continente que ainda hoje atravessa fome extrema, mas para o qual ainda tenho esperança: primeiro por ter deixado de ver tantas daquelas barrigas de béri-béri que via quando era miúdo e depois, por conhecer trabalhos de instituições várias (gov e não gov) que grão a grão vão chegando a cada estômago, ao contrário do que pareces afirmar, João.

Não sou assim tão velho e já assisti a boas e extraordinárias mudanças, pelo que, embora seja um processo lento, é inegável que o mundo está no bom caminho!

discussão a acompanhar no Câmara de Comuns

|| JMC - João Maria Condeixa, 21:26 || link || (0) Comentários |

segunda-feira, julho 07, 2008

De 8 para 80!


Há uns séculos atrás, quem tinha um império, por muito atroz que fosse a geri-lo, ia aguentando os apertos e mantinha-se na liderança da corrida durante uns anos confortáveis. Entretanto, e aí os portugueses ajudaram, as trocas comerciais fizeram-se sentir com maior intensidade e as alterações à lista dos mais-poderosos começaram a surgir com maior periodicidade.

Nos dias que correm, essas mutações são cada vez mais notadas, frequentes e até desejadas: é sinal que estamos a trabalhar todos com todos e que a concorrência é forte e que o mercado se vai globalizando atingindo, inclusive, terras que se fechavam sobre si próprias, como a China.

Agora que monstros adormecidos acordaram, é tempo de perceber se o G8 abre novas vagas ou se - e a mim parece-me justo, embora possa complicar as tomadas de decisão a longo prazo - se fazem substituir os destronados pelos emergentes que conquistaram, de forma igualmente legítima, o seu lugar.

Teremos os 8 actuais, 8 com algumas alterações ou abrimos novas vagas e aumentamos o grupo para G10 ou G13?

E se aumentarmos, uma pergunta fica no ar: admitem, finalmente, que o capitalismo disseminou riqueza pelo globo?
também publicado no Câmara de Comuns
|| JMC - João Maria Condeixa, 12:25 || link || (0) Comentários |

sexta-feira, julho 04, 2008

Na Bolsa de Valores Agrícola


Não é só o petróleo que bate recordes. Para os leigos na matéria, o DAP é dos fertilizantes básicos mais importantes e é agora a hora de ser comprado para se vender no próximo ano.

Para quem, como eu, está a negociar no mercado deste tipo de commodities, as principais preocupações recaem sobre o momento em que o balão poderá explodir ou, caso não o faça, até que valores se sentirá esta subida sem se assistir a uma franca descida do consumo, neste caso, da procura no próximo ano. Estas duas hipóteses preocupam e condicionam o mercado agrícola severamente.

Mas, trago para aqui este gráfico, para que aqueles que estão mais desligados da realidade do sector primário percebam que o pujante aumento das matérias-primas e consequente custos de produção criam uma ansiedade no mundo agrícola que tem razão de ser. Com preços de suporte previamente estabelecidos que visam beneficiar o consumidor, deixa de existir a facilidade desejável para incluir estas subidas no preço final, daí que, tal como nos têm vindo a habituar, infelizmente, os agricultores batam à porta a pedir mais apoios e subsídios. E batem à porta de quem lhes provoca e compactua justamente com a criação destas distorções de mercado. Assim nunca terão soluções. Precisam de encarar e cortar o mal pela raiz e para isso tem que se acabar de vez com esta lógica da Política Agrícola Comum.

P.S. para perceberem bem a situação abram a imagem. Conseguem ver a escalada do preço de DAP de +/- 500 €, início do ano, para mais de 1200 € neste preciso momento.
também publicado no Câmara de Comuns
|| JMC - João Maria Condeixa, 13:21 || link || (0) Comentários |

terça-feira, julho 01, 2008

Foi você que pediu outro Sócrates?

Não tive tempo para ver Manuela Ferreira Leite na TVI, mas o meu amigo Adolfo fez o favor de fazer o resumo. Parece-me que não perdi nada de que não estivesse já à espera.
|| JMC - João Maria Condeixa, 22:34 || link || (0) Comentários |
Site Meter BlogRating